Ferramentas

 

Seguindo nossa série de postagens sobre Coaching, hoje vamos falar um pouco de como esses dois profissionais, Coach e Consultor, podem trabalhar juntos e como se diferenciam.

A CONSULTORIA

Trabalhando por 6 anos em empresa de consultoria, tendo a minha própria empresa de consultoria e atuando como consultor autônomo na área de informática, mais especificamente implementação e customização de sistema, já vi e conheci todo tipo de consultor e até mesmo aqueles que se dizem consultores, mas são apenas desenvolvedores, customizadores e acabam se tornando mais um “funcionário” terceirizado da empresa que o contratou.

O termo consultoria vem de consultar, ou seja, se pensarmos nessa profissão como uma consulta que fazemos no Google, por exemplo, podemos chegar bem perto do que realmente é o trabalho de um consultor, que mostra opções de acordo com a “consulta” que o cliente faz.

Quanto mais específica é a sua consulta, quando mais informações você passa para o Google, mais precisos são os resultados e mais fácil você achará o que precisa, certo? Para isso o Google utiliza de sua especialidade, que é cruzar dados e manter um vasto banco de informações, pronto para atender naquilo que necessitar.

Na consultoria funciona da mesma maneira, o cliente tem um problema na sua vida ou empresa e contrata um consultor especialista naquele assunto, que após fazer uma análise do seu problema e entender quais são os objetivos que quer atingir, lhe dará algumas opções de soluções adequadas e ajudará a implementar, agregando a partir daqui algumas técnicas mais específicas como o próprio Mentoring, por exemplo.

O processo de consultoria tem início, meio e fim bem definidos, pois é focado em resolver problemas e trabalha através de projetos. Acontece de um consultor ficar a vida inteira dentro da empresa, é verdade, porém ele está sempre “renovando” sua consultoria e atuando em projetos diferentes durante a trajetória, caso contrário, se não desempenhar mais o papel de especialista e apenas atender as demandas da empresa e superiores, ele se tornou sem perceber mais um funcionário.

Semelhanças com o Coaching

O Consultor pode atuar como Coach em vários momentos do seu processo, porém não é aconselhável que o Coach trabalhe como Consultor, a não ser que isso esteja previsto e claro para ambas as partes, profissional e cliente.

Ambos os trabalhos possuem início, meio e fim e são direcionados para o futuro, tendo como objetivo principal solucionar o problema do cliente. Os dois trabalham com metas específicas e com um planejamento bem apurado das atividades a se desenvolver.

Além disso, como medição do processo, ambos trabalham muito com avaliação daquilo que está sendo feito, resultados obtidos, se o planejamento está correto e como prosseguir.

Como disse acima, o Consultor pode atuar com ferramentas do Coaching no levantamento do processo, identificação das metas e objetivos, alinhamento pessoal e profissional, afim de mensurar com mais precisão aquilo que precisará fornecer ao cliente, como informações e soluções adequadas.

Por outro lado, se o Coach resolve ser Consultor as coisas podem ficar um pouco confusas, vou explicar isso no próximo tópico.

Quais as diferenças entre eles?

Esses processos têm suas maiores diferenças na maneira como trabalham, pois até o levantamento dos dados, ambos podem trabalhar de formas parecidas.

A maior diferença entre eles é, assim como com o Mentoring, que o Consultor deve ser especialista no assunto tratado e o Coach não. O Consultor oferece soluções ao cliente para que esse escolha e tenha o acompanhamento na hora da implementação, enquanto o Coach desperta o seu cliente partindo do princípio que o mesmo já possui a reposta para seu problema, acompanhando-o conforme necessidade do mesmo, servindo como patrocinador, desafiador e mantendo-o no foco.

A consultoria não se preocupa tanto com essa parte motivacional, do autodesenvolvimento e pessoal, ela está mais focada em sugerir soluções, conduzir corretamente a solução sugerida e selecionada pelo cliente e monitorar o processo para análise dos ganhos, pensando no próximo projeto. Consultoria é muito focada em processos.

O Coaching se preocupa no desenvolvimento pessoal junto com o profissional, nesse tipo de processo não existe separação, são as pessoas que desempenham os papéis nas suas vidas e organizações, achando suas próprias saídas para os problemas que criam, por isso elas são os principais focos do processo.

A consultoria é contratada para trazer coisas novas ao cliente, trazer soluções diferentes, melhorias de processos, produtos de mercado, atualizações de sistemas e metodologias. Enquanto o Coaching é contratado para despertar o potencial que não está sendo utilizado, aumentar o nível de consciência do cliente (grupo, empresa ou indivíduo), criar sinergia entre as pessoas, melhorar a performance de cada um e utilizar recursos que já existem, as pessoas já sabem, mas não se dão conta disso.

São processos bem diferentes como podem ver, que também podem trabalhar perfeitamente em conjunto, agora, apesar de levar à uma descaracterização do processo de Coaching, esse pode agregar a consultoria em seu processo, porém o profissional deve ser especializado no assunto e alinhar com o cliente os momentos que trabalhará com o Coaching e os momentos nos quais entrarão a consultoria, para que não haja uma confusão na cabeça do cliente.

Um bom exemplo de como fazer isso seria trabalhar o Coaching inicialmente para desenvolver o cliente no seu máximo potencial e, apenas depois, quando o cliente já soubesse o que quer e estivesse muito claro seus objetivos, o profissional entrasse com a consultoria, análise de dados, sugestões de soluções e etc. Seria um trabalho muito bem feito, já que isso responsabilizaria o cliente também pela escolha da solução, que seria feita de forma consciente, não apenas deixando na mão do especialista. Bom para os dois lados.

 

Conforme disse na postagem anterior, não há um melhor que o outro, ambos são trabalhados de maneiras diferentes e deve existir uma análise profunda do cliente para escolha do que é melhor para ele ou para sua empresa. Porém, na dúvida, fazer os dois da forma que descrevi no parágrafo anterior é uma ótima saída.

 

Um abraço!