Carreira

 

Que ainda dá, dá… mas como?

Eu não sei quantos anos você tem, qual a sua condição financeira, quais são suas despesas e muito menos qual o seu cargo e salário, mas eu sei de uma coisa, se está lendo esse texto é porque interessa à você ou à alguém que conhece, então eu pergunto, qual a sua motivação?

Seja para você ou para ajudar um amigo, qual é a sua motivação ao ler esse texto?

Se procura uma fórmula mágica para mudar de carreira, pode indo embora daqui que não trabalho com gente preguiçosa e descomprometida. Se quer uma mudança rápida e “indolor”, saia daqui da mesma maneira que deseja essa mudança, afinal você está procurando por um gênio da lâmpada e não por informação e ajuda.

Agora, se sua motivação é intrínseca, se você se sente desconfortável e quer transformar uma possível dor que esteja sentindo em ação e comprometimento com sua felicidade e daqueles que importam à você, se sua motivação está no sair da sua zona de conforto para buscar algo melhor ao invés de ficar reclamando nela, se sua motivação vai além do falar e murmurar, então eu respondo a pergunta que fiz no título dessa postagem:

Ainda dá tempo de mudar de carreira!

Antes, repito, qual é a sua maior motivação para mudar de carreira? Ainda não sabe? Vamos olhar por outra ótica então, qual a sua melhor desculpa para permanecer no emprego atual?

Aposto que você achou mais desculpas para permanecer no emprego atual do que motivação para sair, afinal, se não saiu ainda deve ser porque vê mais vantagens ficando do que saindo, pois se tem mais motivações para sair do que desculpas para ficar, então você deve gostar de viver infeliz e reclamando, o que não teria problemas caso seja algo que goste  de verdade, sabe? O importante é assumir isso…

… mas falando em desculpas, vamos falar de algumas delas?

 

Não tenho experiência na área que quero!

E nunca terá… obviamente estou falando se você continuar na mesma situação, apenas reclamando ao invés de buscar essa experiência.

Vejo muitas pessoas que querem fazer algo, seguir um sonho, e continuam no amadorismo, digo, continuam fazendo apenas por hobby ou por paixão e não profissionalizam ou pensam em alguma maneira de ter um retorno financeiro com aquilo que querem fazer.

Importante! Lembrando do que escrevi em outra postagem, há coisas que não foram feitas para serem sua profissão, pois são apenas hobbies mesmo, você deve tomar esse cuidado para não estragar algo que te dá prazer ao torná-lo seu “ganha pão”.

Tendo a certeza do que quer fazer e que pode ganhar dinheiro com isso, pergunto à você, quais são as maneiras de se ganhar dinheiro com essa atividade que quer seguir? Como as pessoas que praticam essa atividade começaram? Qual curso você precisa fazer? Quanto precisa desembolsar para fazer esse curso? Como e quanto pode guardar por mês? Em quanto tempo terá os recursos necessários?

Talvez você já tenho tudo que precisa e está apenas fazendo o famosos “corpo mole” para começar, porém se ainda não tem, você pode e deve começar agora a se preparar, por que não?

 

Já sou muito velho!

Ah, claro… essa sim é a desculpa perfeita para não começar algo. Você já está velho, faz há muito tempo a mesma coisa, não dá para mudar de carreira ou começar outro negócio. Melhor mesmo é continuar onde está, aposentar e depois começar.

Talvez seja o melhor se faltarem uns três anos para aposentadoria, não deve ser assim tão ruim, mas e se faltarem dez anos, o que vai fazer? Esperar? Continuar reclamando até lá e entrar no piloto automático enquanto segue uma rotina que te deixa descontente? Até mesmo se faltarem três anos, vai esperar esses três anos para começar a mudar e se planejar para outra carreira?

Velho para mudar, na realidade, é esse pensamento! Não existe idade para se começar a fazer algo, mas com o tempo pode ser que assumamos algumas responsabilidades a mais e uma condição financeira mais estável, o que acaba dificultando ainda mais sair da zona de conforto. Porém, pessoas mais velhas também são mais decididas do que querem por já terem passado por muita coisa e são mais experientes, sabendo na maioria das vezes pela vivência o que pode funcionar e o que não pode, tendo portanto vantagem para sair dessa zona de conforto que inicialmente poderia ser maior que a de um jovem, por exemplo.

E quando a desculpa é externa?

 

Têm pessoas que dependem de mim!

Não estou falando aqui apenas de filhos, talvez você sustente a sua mãe, talvez precise ajudar o seu irmão, talvez sejam os filhos mesmo, quando tem pessoas que dependem de nós, muitas vezes a infelicidade se torna ainda maior na hora de pensar em uma transição, afinal, ficamos “presos” em um emprego que consideramos importante para manter aqueles que amamos. Afinal, e se algo der errado?

Bom, é verdade que ter dependentes dificulta um pouco a situação, mas você já se planejou alguma vez para ver o que é essencial para você e para a pessoa que depende de você conseguirem passar por essa mudança de carreira? Digo, já pensou no seu tempo, dinheiro, pessoas que poderiam te ajudar, necessidades básicas e tudo que seja, de fato, necessário?

Não estou falando do seu luxo, não estou falando dos presentes que não poderá dar àquele que ama, não estou me referindo às saídas para restaurante e shopping, estou falando do que realmente é necessário para vocês. Por quanto tempo vocês aguentariam viver no mínimo? Como se planejar para isso?

 

Desculpas x Motivações

  • Eu estou comprando uma casa nova, não posso ganhar menos!
  • Eu acabei de trocar de carro, imagina se algo der errado!
  • Eu trabalho há dez anos nessa empresa, não vou pedir demissão e perder meus direitos!
  • Eu vou ganhar muito menos se trocar, como ficaria meu padrão de vida?
  • Eu já sou reconhecido nesse meio, como faria uma transição dessas?

Desculpas e mais desculpas, se continuarmos pensando elas nunca acabarão, afinal, motivos para NÃO fazer algo é sempre o que achamos com mais facilidade. Mas, pensando bem, conseguir enxergar aquilo que precisamos fazer e acabamos dando como desculpa para não mudar é muito bom, afinal, serão esses os motivos que nos farão desistir caso não tenhamos eles bem definidos e claros, com estratégias específicas para cada um delas.

Então, sabendo disso, como transformar essas desculpas em motivação?

Pense na melhor desculpa que você tem para não trocar de emprego de carreira nesse exato momento…

Pensou?

Bom, agora eu convido você a se questionar:

O que eu preciso fazer para que essa desculpa deixe de existir? Como eu poderia me planejar para que possa seguir a partir do ponto após essa desculpa? Quanto tempo eu preciso para tomar as ações necessárias para que essa desculpa desapareça?

Caso esteja muito difícil conseguir enxergar através de você mesmo as ações a se tomar, mude mais uma vez o seu olhar, veja:

Que pessoa já passou por isso de forma bem sucedida e conseguiu superar essa parte da transição? O que ela tinha que eu não tinha? Como ela adquiriu isso que ela tinha e eu não? Como eu posso fazer para conseguir o mesmo que ela e seguir seus passos? Como eu posso adaptar os passos dela à minha própria rotina? No que eu sou melhor que ela a ponto de poder ainda melhorar os passos que ela tomou para a minha realidade?

Dessa maneira, você consegue dar outra visão para o que antes eram problemas, eles se tornam sub-objetivos para que sua transição aconteça, percebe? Se tornando motivação para seu objetivo principal, que é a transição.

 

Bom, falamos muito das desculpas, falamos como você pode lidar com elas e transformá-las em pequenos passos da sua caminhada. Agora eu encorajo você a citar todas as suas motivações para mudar de carreira, está pronto?

Se não está, para finalizar, vou contar um pouco da minha transição.

Durante minha carreira, me propondo a experimentar vários empregos e experiências, acabei parando numa empresa de consultoria de implementação de um software específico da IBM, chamado MAXIMO. Passei por muitas empresas e acabei virando especialista nisso. Hoje, 6 anos após ter iniciado nessa empresa, pedindo demissão, me aventurado como empresário nesse ramo, fechado a empresa, trabalhado como freelance e por último prestado serviço por pouco mais de um ano no grupo Ultra, eu poderia continuar realizando esse trabalho de consultoria especialista na ferramenta cobrando cerca de 85 reais a hora apenas pela minha mão-de-obra.

Isso seria ótimo financeiramente para mim, como foi no tempo que estive na área. Porém, o meu sonho é trabalhar com Coaching e treinamentos pessoais, portanto, fiz o que precisava ser feito, me dei o tempo necessário e resolvi fazer essa transição.

Tenho 26 anos e precisei de coragem para adiar a compra da minha casa própria, troca de carro, guardar dinheiro, mudar tantas vezes de emprego, fazer novos cursos, continuar me especializando no assunto, voltar a morar com minha mãe, tudo isso saindo de um emprego no qual eu tinha grandes chances de continuar com uma ótima renda mensal e onde eu já tinha um reconhecimento enorme pelos trabalhos que já realizei em empresas como Queiroz Galvão Óleo e Gás, Johnson e Johnson, Odebrecht, dentre outras.

Eu tinha desculpas, eu tinha minha zona de conforto, mas resolvi mudar, enquanto isso, eu fui feliz e engajado na minha missão de mudar de carreira, hoje, além de tudo isso, me sinto realizado.

Medo de dar errado? Claro que tenho, é exatamente isso que me mantém no foco para que tudo dê certo!

E você? O que vai fazer com suas desculpas?

 

Desculpas existem para tirarem a sua culpa de permanecer no erro.

 

Assuma suas culpas, assuma as rédias da situação e mude, nunca é tarde.

 

Seja feliz!

 

Abraço!!!