Livros e filmes

 

Dedicado ao leitor: que você encontre a felicidade.

Esse é a dedicatória na primeira página do livro sobre o qual vou falar um pouco hoje.

Simples, não é?

Isso mesmo, afinal estamos nessa vida para que senão ter o direito de ser feliz?

E para você, quando pensa em felicidade, o que vem em sua mente? O que vem em seu coração?

Particularmente, me vem tantos momentos bons e agradáveis em mente quando penso e felicidade, que acabo por vezes esquecendo que o real sentimento vem de dentro, que não são as sensações que o despertam em mim, mas minha felicidade que tenho dentro que desperta para as pessoas que amo em cada situação.

Essa é a real felicidade, aquela que não precisa ser adquirida, mas sim que pode ser compartilhada, o que me lembra a seguinte frase:

A felicidade só é real quando compartilhada! (Filme: Na Natureza Selvagem)

E para podermos compartilhar algo, precisamos primeiro ter aquilo, afinal, compartilhar é usar em conjunto, não é? O livro fala exatamente esse sentido da felicidade por inúmeras vezes, aquela baseada na compaixão, partindo do princípio que todos estamos aqui para sermos felizes e temos esse direito, logo, que todos agem em prol desse objetivo, mesmo que equivocadamente.

Vamos falar um pouco mais disso.

 

A Arte da Felicidade – Um Manual para a Vida
(Sua Santidade, o Dalai Lama e Howard C. Cutler)

O livro traz uma visão muito interessante sobre a felicidade e todas as questões que a envolvem compartilhando incríveis conhecimento do Dr. Howard C. Cutler, psiquiatra americano, que guia uma entrevista e conta toda sua vivência com o décimo quarto Dalai-Lama, Tenzin Gyatso.

Através de linguagens simples e práticas tão simples que “chegam a dar raiva” no leitor, durante a leitura você vai acabar descobrindo como nós mesmos complicamos a felicidade e nos esforçamos para ser infeliz, para sentir raiva, para sentir ódio, para sentir medo, para sentir sentimentos negativos no geral.

O livro é dividido em cinco partes e quinze capítulos, mas quero mesmo dar ênfase para essa primeira estrutura, que é a seguinte:

  1. Propósito da Vida
  2. O Calor Humano e a Compaixão
  3. A Transformação do Sofrimento
  4. A Superação de Obstáculos
  5. Reflexões Finais sobre como levar uma Vida Espiritual

O livro começa trazendo um mundo de arco-íris para o leitor, falando sobre o direito de ser feliz e como esse sentimento é inato. Logo depois ele vem com um mundo mágico onde todos se amam e se colocam no lugar do seu próximo, isso, claro, com os questionamentos constantes por pate do autor e as confusões que a simplicidade e firmeza nas respostas de Dalai-Lama acaba gerando.

Se nesse momento você pensar que tudo isso é uma grande bobagem e que ninguém consegue ser assim, se você sofrer um pouco por não conseguir fazer as coisas de forma tão simples, fique tranquilo que nessa segunda metade do livro são abordados muitos sentimento de inconformismo, sofrimento e, por fim, superação de obstáculos.

Para finalizar, considero a último parte e último capítulo um presente para o leitor, onde se fala muito sobre a vida espiritual, não necessariamente religiosa.

“Um Manual Para a Vida” é o que diz na capa, eu acredito que sim.

 

A Visão Budista, Cristianismo e Ciência

Se você está com uma pequena ou grande dúvida de ler esse livro em função de conterem palavras e ensinamentos de um líder espiritual budista, que não é da religião que você segue e acredita, eu encorajo você a ler e entender como o próprio Dalai-Lama faz em suas palavras.

Por inúmeras vezes Dalai-Lama traz a visão budista e considera a cultura oriental, mas ao mesmo tempo cita também ensinamentos cristãos (por ser a religião predominante no ocidente) e traz sua visão sobre a cultura ocidental, isso tudo de forma totalmente respeitosa e imparcial.

Além disso, o autor cita por muitas vezes estudos científicos para embasar aquilo que está sendo dito pelo Dalai-Lama e para dar ao leitor a visão da cultura ocidental pelos próprios pesquisadores e referências daqui. Sendo assim, os ensinamentos se completam de forma muito congruente, trazendo opções para o leitor seguir a linha que acredita para si.

E então, após essa leitura, como mudou a minha visão sobre as coisas? O que podemos tirar do livro? Como aplicar isso no dia a dia? Como aplicar na vida?

 

O que aprendi sobre a felicidade?

Nada.

Confesso que não aprendi algo a mais do que já existia dentro de mim sobre a felicidade em si. Eu aprendi, sim, sobre os sentimentos que insisto em trazer para encobrir a felicidade que é natural em mim.

A felicidade autêntica e sem motivo, aquela que vem de dentro e está pronta para ser compartilhada com os outros, todos nós já temos. O que aprendemos com a vida e com as situações que passamos, é o que as pessoas tentam erroneamente ensinar por aí, que nem sempre temos o direito de ser feliz. Então posso dizer com toda certeza que eu aprendi a desaprender o que vinha aprendendo e nunca deveria ter aprendido, entendeu?

Estou querendo dizer que não há o que aprender sobre a felicidade ou ser feliz, todos já sabemos, precisamos aprender a tirar da frente dela aquilo que nós mesmos colocamos com o tempo e as situações que passamos.

É claro que vamos continuar sentindo medo e vamos continuar sentindo raiva, mas acreditem, esses sentimentos foram feitos para também manter o nosso direito de continuar sendo felizes, acreditam?

Existem muitas técnicas nesse livro que ensinam os verdadeiros antídotos dos sentimentos negativos, da raiva, do ódio, do medo, da tristeza, do sofrimento e etc…

Ok… eu não vou aguentar, vou contar para você o antídoto, mas só se você prometer que ainda assim vai ler o livro para aprender com maestria a colocar em prática… eeeee… que também vai praticar isso, combinado?

O antídoto para os sentimentos negativos, são… OS SENTIMENTOS POSITIVOS!!!

           \o/

Entendeu? Fácil, olha só, cultive a alegria, amor, compaixão, paciência, tolerância, verdade, sinceridade e os seus sentimentos negativos naturalmente vão perder força.

 

Bom, já contei, agora corre pra ler o livro que vale muuuuuito a pena!

 

Assim como o autor do livro dedicou, em forma de desejo eu finalizo essa postagem repetindo suas palavras:

 

QUE VOCÊ ENCONTRE A FELICIDADE!

 

Abraço!!!!

 

PS: Lembre-se sempre de nunca esquecer de se lembrar que TODOS TÊM O DIREITO DE SEREM FELIZES.